"TRIBUTO A CLARICE LISPECTOR."

16 de jun de 2010

"Se precisa mesmo viver comigo, deite fora de mim e não gesticule ilusões. Não tropece nas mentiras, nem costure o nosso futuro num passado qualquer que vivemos. Aceite suas poucas oferendas e mergulhe no meu jardim. Admire as consequências e faça um pacto comigo enquanto elogio a sua boca. Não me ofereça tempo para motivos e miseres discussões. Ocupe todo o meu abraço, afaste um pouco a cômoda e se possível, pinte – a. Aquela cor desbotada te irrita e infantiliza o nosso amor enquanto eu te admiro e você exige algo melhor. Não prepare a mesa, nem arrume a casa. Não leve a música que eu gosto, nem coloque flores na cama. Seu falso romantismo me entristece e torna tudo muito exagerado. Não me alerte sobre as horas, provas e bilhetes na porta. Estou ciente de todas as tempestades. Não me ligue antes de chegar. Apareça ou me deixe esperando até dormir de tanto pensar no seu último sorriso. Chegue e seja o melhor que pode ser mesmo que esse seja insuficiente. Seja com todos os seus defeitos e erros que eu ainda consigo perdoar. Seja. Agora se não for tão preciso ocupar todo o meu tempo; acumule seus sonhos, empacote seus planos, embrulhe suas vontades, carregue meu silêncio pelas pontas e comemore a nossa volta - sozinho."

(Priscila Rôde)
"Por que coração quando quer cicatrizar, faz doer. Dói tanto, tanto, que se multiplica e me toma por todos os lados. Me come pelas beiradas, pelas lembranças frescas, as mais bonitas e não eternizadas. Dói tanto, tanto, que se perde. Daí me vejo assim, toda coração. Do muito que sinto até o  pouco que quero esquecer. Um fragmento, pedaço meu solto e perdido dentro de mim tentando ser seu de novo. Mal sabe ele que pouco te sei aqui dentro."

(Priscila Rôde)